27.3.09

René Char

(O preferido de Camus, em foto de Man Ray)

CONSOLAÇÃO

Nas ruas da cidade caminha o meu amor. 
Pouco importa aonde vai no tempo dividido. 
Já não é meu amor, todos podem falar-lhe. 
Ele já não se recorda. Quem de fato o amou?
Procura o seu igual no voto dos olhares. 
O espaço que percorre é a minha fidelidade.
 Ele desenha a esperança e ligeiro despede-a. 
Ele é preponderante sem tomar parte em nada.
Vivo no seu abismo como um feliz destroço. 
Sem que ele saiba, a minha solidão é o seu tesouro. 
No grande meridiano onde inscreve o seu 
curso é a minha liberdade que o escava. 
Nas ruas da cidade caminha o meu amor. 
Pouco importa onde vai no tempo dividido. 
Já não é  meu amor, todos podem falar-lhe. 
Ele já não se recorda. 
Quem de fato o amou e de longe 
o ilumina para que não caia?

Nenhum comentário: