10.8.08

Seu Alves


Não tinha visto cara mais chato pra ganhar presentes.
Só os abria depois que todo mundo já tinha ido embora.
A gente só sabia que tinha errado na escolha,
no dia seguinte, com uma gozação sem tamanho.
Sério. Fechado.
Dono de um humor inglês e um mau-humor escocês.
Falava com os olhos. Agia com os olhos.
Olhava-me como quem dizia: “Vai, se caíres não passas do chão”.
E ele dizia, mesmo.
E a gente caía e levantava.
Só com um olhar.
Com o olhar dele.
Como se seus olhos fossem as mãos
fortes de um cara imenso.
Era o que achava do meu pai,
quando era criança.
Hoje, mais do que nunca
um cara imenso.

Um comentário:

marthajares.blogspot.com disse...

e de tão imenso, estamos nós aqui, sempre e em todos os momentos das nossas vidas, a amá-lo e admirá-lo.
Feliz dia dos Pais Seu Alves!!!!