31.5.08

Miss Wonderful


Bom dia!



Desliza o avião pela pista molhada.

Num erro cinematográfico.

Assim,

desliza a faca fria à manteiga,

em rebocos quase perfeitos,

nos lados de uma fatia de pão.

Suaves e precisas.

Pra lá e pra cá.

Desliza pra dentro da torradeira

Pula pra fora, num salto acrobático.

Bronzeadas e crocantes, pela manteiga

que queima e desliza um paladar de bom dia.

Corações não queimam mais suas marcas.

É, a torradeira está velha.

Divididas ao meio, por comprido, com uma chícara

de Nescafé no chá de canela. Quente. Fervendo.

O cheiro desliza pela sala.

O paladar

E pela sala desliza quem a metade come.

As torrada sem os corações impressos.

Agora eles vêm impresso no bom dia.

De todos esses dias.

Cartas na rua



Pôxa, logo eu

que tanto lápis comprei.

Pra quem sempre escreveu,

o endereço perdeu.

Joguei papéis, envelopes,

no lixo. Selos, colas, canetas.

Papéis de carta.

Tudo bem.

Pelo Anjo que o endereço perdeu,

Compro tudo de novo.

Papel por papel, selo por selo,

Cola por cola.

E escrevo pro anjo.

29.5.08

Martin Luther King


"O que mais preocupa
não é nem o grito dos
violentos, dos corruptos,
dos desonestos,
dos sem caráter,
dos sem ética.
O que mais preocupa
é o silêncio dos bons."


28.5.08

Trilha da insônia


Fela Ransome Kuti (& His Koola Lobitos)
The 69 Los Angeles sessions.

Baby?

(Foto de Mariana Jares)

Fazia tempo que ela não ligava.

Achei que deveria ter casado, deveria estar morando em Portugal.

Mas que diabos, Sweet Jane rola na Last.

Muito tempo mesmo. Não ligava.

Sweet Jane, Baby Lu, Sweet Jane.

Também mudei de número muitas vezes.

Achei que ela teria simplesmente sumido, no quintal da infância.

Fazia tempo que ela não me ligava.

Só aparecia quando tocava Cowboy Junkies.

Aparecia como um vulto inquietante.

Muito tempo mesmo. Uns 16 anos.

Um ou outro engano.

Fazia tempo que ela não ligava.

Mas que diabos, Sweet Jane rola no meu celular.

Era ela.

Baby Lu, é você?

26.5.08

Sorte de hoje

A versatilidade é um dos seus traços mais marcantes.
Então, tá, orkut.

Hoje é segunda?

A segunda chegou às nove da manhã.

Umas torradas com café.

Dia de pagar conta. Academia. 74 quilos.

O celular toca. Código de São Paulo. Ou

É minha irmã, ou é minha filha.

Não, alguém pedindo pra confirmar um prêmio.

Endereço completo.

Como assim? Fui sorteado? Ganhei seis meses de assinatura

da revista Veja? Não. Três dias e três noites com acompanhante

em qualquer lugar do Brasil. Tudo pago.

Lembrei o dia que me inscrevi num negócio desses, via NET.

Mas logo eu que até hoje só ganhei um radinho de pilha num palito de picolé?

Acabo de ver no site. É verdade. Lá vou eu.

Será que as segundas estão inclusas no pacote?

Odeio segunda. Hoje, nem tanto.

25.5.08

Juliette Lewis & The Licks - Hot Kiss


A tarde finda na porrada de Miss Juliettte.
A Lewis. Fodassa na tela. Fodassa no pesado.
Dança... dança... dança.
Canta, Miss Lewis!

Apertem os cintos!

24.5.08

TOP TEN FIVE THREE

Minha trilha deste fim de semana:
1. Satelite Kingston
Algo tiene que pasar

2. Squirrel Nut Zippers
Hot Album

3. Andrew Bird
The Mysterious Production Of Eggs

4. Gotan project
La Revancha Del Tango

5. 5,6,7,8's
Teenage Mojo Workout

Experimenta!


Milk Shake


"Depois de algum tempo,
você aprende a diferença, a sutil diferença
entre dar a mão e acorrentar uma alma.

E você aprende que amar não significa apoiar-se,
e que companhia nem sempre significa segurança.

E começa a aprender que beijos não são contratos
e presentes não são promessas.

E começa a aceitar suas derrotas
com a cabeça erguida e os olhos adiante com a
graça de um adulto,
e não com a tristeza de uma criança.

E aprende a construir todas as suas estradas hoje,
porque o terreno do amanhã é incerto demais para
os planos, e o futuro tem o costume
de cair em meio ao vôo.

Depois de um tempo,
você aprende que até o sol queima
se você ficar exposto por muito tempo.

Portanto, plante seu jardim e decore sua alma,
em vez de esperar que alguém lhe traga flores.

E você aprende que realmente pode suportar.
Que realmente é forte
e que realmente tem valor..."
William Shakespeare

161 - 5ª


Para algumas pessoas, o satanismo é qualquer sistema de crença diferente do seu.

20.5.08

Não



Não! Nada de nada...
Não! Eu não lamento nada...
Nem o bem que me fizeram
Nem o mal - isso tudo me é bem igual!

Não, nada de nada...
Não! Eu não lamento nada...
Está pago, varrido, esquecido
Não me importa o passado!


Com minhas lembranças
Acendi o fogo
Minhas mágoas, meus prazeres
Não preciso mais deles!

Varridos os amores
E todos os seus "tremolos"
Varridos para sempre
Recomeço do zero.

Não! Nada de nada...
Não! Não lamento nada...
Pois, minha vida, minhas alegrias
Hoje começam com você!


Edith Piaf

18.5.08

As Chaves


As chaves.

Onde estão as chaves?

Sempre espalhadas.

Não existe como reuni-las num chaveiro.

Sempre espalhadas.

Algumas portas não têm chaves.

Para muitas outras existem.

Muitas são abertas.

Quando se nota a chave.

Sempre espalhadas.

As mesmas chaves que fecham portas,

Abrem outras maiores.

Ou outras chaves aparecem e abrem

portas que nunca foram abertas.

E as chaves?

Sempre espalhadas.

15.5.08

Tela Quente

(Volffi em foto da esposa, Carolaine Kaputto)

Ah, quer saber? Deixei de ver TV aberta.

Tá, tudo bem que a Yamada veio aqui pegar a TV de volta. Ora, porra, só por causa de 10 prestaçõezinhas?

É por isso que esses japoneses estão ricos.

Vai ver que não tem um que veja TV aberta. Nem o Taizó.

É tudo lá, esparramado no sofá, beliscando um oleoso yakisoba e com a mão no controle remoto. Não tem unzinho sequer pra ver o programa da Hebe. Du-vi-de-ó-dó, macaxeira e mocotó.

Sabe por quê? Porque TV aberta é uma merda, muito das suas fedorentas.

Ah, é raiva minha, né? É ódio, né? Ta bom, então vai lá. Experimenta. Porra, uma das últimas novidades relevantes que a TV aberta teve nos últimos tempos foi o Aqui e Agora, do SBT. Era aquele mesmo, do Gil Gomes, do Celso Russomano, daquele velhinho que dava previsão do tempo – quando vinha chuva ele se jogava um balde d’água.

Um amigo meu, publicitário (ô raça fofoqueira), disse que o programa acabou porque era “pesado”.

Porra, liga no Jornal Nacional. Só não tem a porra do velhinho se jogando um balde d’água. Nem o Celso Russomano que virou político, nem o Gil Gomes, que já bateu as botas.

Ah, mas pêra aí. Tô falando do “filé” da TV nacional.

Dêem um zapping pelos outros canais.

Não, nada de ver programa nacional. Veja os daqui. Conseguiu? Ta vendo o quê? Bacana? Giro na TV? Qual? Vai, fala aí...

Ficou mudo, né? Na TV paraense (Rárárárárá, desculpem!) tem de Serginho Groisman a Amaury Jr. Aliás, de Amaury é o que mais tem. Bacana isso, né?

Ah, já mudou? Tá vendo o quê? A CNN, muito bem. Mas tu entendes algo de inglês. É, sim, pelo menos as imagens são lindas. Concordo.

Viu? É isso no que dá o cinema paraense (Rárárárárá, desculpem, de novo.) ter ido à falência.

Todo mundo virou o que?

Hum, sacou! Ta começando a me entender né?

Porra, e eu aqui sem TV.

Lá vai meu nome pro SPC.

Se der, vê bem, se der, né? Alguém aí me chama pra ver Monk?

Obrigado pela audiência!

(Do amigo virtual Volffi Kaputto)

13.5.08

HOJE É O DIA INTERNACIONAL DOS PERTURBADOS


(Foto Sophia Jares)

Eu não me importo se você lambe janelas, joga pedra em avião, ou quer bater prego com a testa, mas lembre-se
todos os sessenta segundos que você gasta irritado, perturbado ou louco, é um minuto de felicidade que nunca mais voltar.
A vida é curta, quebre as regras, perdoe rapidamente, beije demoradamente, ame verdadeiramente, ria incontrolavelmente, e nunca deixe de sorrir, por mais estranho que seja o motivo. A vida pode não ser a festa que esperávamos, mas enquanto estamos aqui, deveríamos dançar.
(recebi e repasso)

11.5.08

A semente teimosa e o pássaro faminto


Um pássaro se alimentava de cobras e lagartos.

Imaginava a melhor da refeições com eles, suas presas.

Hipnotizadas pelo canto de sereia do pássaro.

Seu vôo rasteiro e exato o carregou para um deserto,

Seu excesso de confiança deixou-o vagar com os ventos que sopravam elísios.

Planar é mais fácil que voar.

Cada vez mais longe e alto, cobras e lagartos rareavam.

Ao deparar-se no alto de um deserto, resolveu apanhar uma semente.

A fome estava resolvida. Guardou-a até que achasse sua verdadeira refeição.

Não demorou muito para que o pássaro avistasse uma cobra, solitária, mas feroz e astuta.

Desmedido, o pássaro, articulou qualquer coisa para sua sobrevivência.

Fosse o que fosse.

Sua alimentação estava ali, no chão, rasteiro a se mexer de um lado a outro, em busca de alimento também. A semente secava a cada hora, a cada dia, em suas garras.

Até que a largou numa das piores áreas do deserto e, em frações de segundos, apanhava com suas garras a cobra sem rastro.

A semente ali jogada resistiu ao que pode às condições do terreno e do clima. Ia morrer, com certeza. Nenhuma espécie vegetal havia se reproduzido ali. Mas a semente, quase sêca, inerte e morta reage e faz surgir da casca dura uma raiz, ainda pequena e frágil. Não custou muito pra criar outras raízes, cada dia mais fortes, e se fincou numa parte de solo árido e infértil, até encontrar, a não muitos centímetros, um pequeno pedaço de terra saudável.

Hoje o caule cresce em direção ao sol. Suas folhas ainda miúdas são fortes. Prontas pra enfrentar a situação da natureza.

Cresce a cada segundo, a cada raio de sol, nasce uma folha, outras crescem.

Mas suas raízes estão cada vez mais fortes nesse pequenino pedaço de solo.

E o pássaro, por mais que venha a matar e devorar a cobra sem rastro do deserto, jamais a arrancaria dali, a ex-semente.

8.5.08

A louca




Quando ela passa: - a veste desgrenhada,

O cabelo revolto em desalinho,
No seu olhar feroz eu adivinho
O mistério da dor que a traz penada.

Moça, tão moça e já desventurada;
Da desdita ferida pelo espinho,
Vai morta em vida assim pelo caminho,
No sudário de mágoa sepultada.

Eu sei a sua história. - Em seu passado
Houve um drama d’amor misterioso
- O segredo d’um peito torturado -

E hoje, para guardar a mágoa oculta,
Canta, soluça - coração saudoso,
Chora, gargalha, a desgraçada estulta.

(Augusto dos Anjos, o cara que sempre esteve na minha vida)

6.5.08

Streap street

(a foto é minha mesmo)

Foi de repente.
Ela começou tirando o vestido, depois o sutiã, depois a calcinha.
Dava pra ver daqui, na hora que a chuva caiu forte.
Fechei a janela bem rápido.
O chão já estava molhado.
Eu não tinha roupa nenhuma pendurada no varal.
A vizinha tinha.

4.5.08

Oh, Baby!



Pôxa, logo eu

que tanto lápis comprei.

Pra quem sempre escreveu,

o endereço perdeu.

Joguei papéis, envelopes,

no lixo. Selos, colas, canetas.

Papéis de carta.

Tudo bem.

Pelo Anjo que o endereço perdeu,

Compro tudo de novo.

Papel por papel, selo por selo,

cola por cola.

E escrevo pro anjo.

É tarde



Vou dormir agora, 4 da manhã.
Sorte.
Agarrado à metade mais importante de mim.

3.5.08

Mate-me, por favor



Era umas três da madrugada. Leila acorda, sacode Armando.
- Armando, Armando... Acorda.
Armando não abre os olhos e murmura;
- Dorme, Leila, dorme.
- Não, Armando, acorda. Pega esse revólver e dá um tiro aqui - aponta pra cabeça.
Armando ignora o gesto totalmente.
Leila sacode Armando. Mais forte, desta vez.
- Mate-me, por favor, Armando.
Armando gira sobre o eixo do corpo, vira de lado, de costas para Leila e murmura mais uma vez:
- Dorme, Leila, dorme.
Leila joga-se de costas no colchão, braços cruzados. Silêncio. Ela se cobre, vira para o lado oposto ao de Armando. Costa com costa.
E murmura:
- Não serve nem pra isso...

2.5.08

Vida



"Já perdoei erros quase imperdoáveis, tentei substituir pessoas
insubstituíveis e esquecer pessoas inesquecíveis.
Já fiz coisas por impulso, já me decepcionei com pessoas quando
nunca pensei me decepcionar, mas também decepcionei alguém.
Já abracei pra proteger, já dei risada quando não podia,
fiz amigos eternos, amei e fui amado,
mas também já fui rejeitado, fui amado e não amei.
Já gritei e pulei de tanta felicidade, já vivi de amor e
fiz juras eternas, "quebrei a cara" muitas vezes
Já chorei ouvindo música e vendo fotos, já liguei só pra
escutar uma voz, me apaixonei por um sorriso,
já pensei que fosse morrer de tanta saudade
e tive medo de perder alguém especial ...
Mas vivi! E ainda vivo!
Não passo pela vida.
Bom mesmo é ir a luta com determinação, abraçar a vida e viver com paixão,
perder com classe e vencer com ousadia, porque o mundo pertence a
quem se atreve e a vida é MUITO boa para ser insignificante".

(Augusto Branco - http://agrandeza.blogspot.com/2008/09/j-perdoei-erros-quase-imperdoveis.html )

1.5.08

Para Amy Winehouse


EL SON DEL DOLOR (La ****)
______________________________________
Tú sabes que yo me muero por ti mi vida
yo me muero por ti mi amor
que necesito respiración de boca a boca
porque en tu boca nació mi dolor

Yo quiero que me mates con un beso
y otro beso para resucitar
yo quiero que me des un abrazo
y en tus brazos yo quiero reventar

Que me muero por ti mi vida
yo me muero por ti mi amor
que me matas y me excitas
con tanto dolor

Tú sabes que me apasiona tu persona
y esa zona que te quiero morder
sabes que me vuelves loco
con tus gritos y tus arañazos de mujer

Y cuando fumas y quemas
y dibujas patrones sobre mí
y la manera que amas
entre llamas y me consumo pero ya lo viví
que más da

Que me muero por ti mi vida
yo me muero por ti mi amor
que me matas y me excitas
con tanto dolor

Que me muero por ti mi vida
yo me muero por ti mi amor
que me matas y me excitas
con tanto dolor

Hiéreme más...que me hace tu maldad... feliz